Sindamar questiona protocolos contra o coronavírus da Anvisa no Porto de Santos

Notícias

Com a ampliação da lista de países de procedência para a definição de casos suspeitos do novo coronavírus no Brasil, aumenta a preocupação com a chegada de embarcações no Porto de Santos. O embarque de tripulantes que vivem nos locais em que há casos confirmados da doença é uma das grandes preocupações do setor.

Por conta disso, o Sindicato das Agências de Navegação Marítima do Estado de São Paulo (Sindamar) questionou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a possibilidade de atualizações nos planos de contingência.

Embarcações procedentes de Japão, Singapura, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Tailândia, Vietnã e Camboja, além da China, já eram monitoradas no cais santista porque faziam parte da lista de atenção do Ministério da Saúde. Com a nova atualização, a relação, agora, inclui, além da Itália, Alemanha, França, Austrália, Filipinas, Malásia, Irã e Emirados Árabes.

Com isso, estão enquadradas dentro desta definição de casos suspeitos as pessoas que viajaram para esses países nos últimos 14 dias e que apresentarem febre e mais um sintoma gripal, como tosse ou falta de ar.

Mesmo que os tripulantes deslocados de avião para assumirem postos de trabalho nas embarcações não estejam com sintomas da doença, os primeiros sinais podem se manifestar após a chegada aos cargueiros. Além disso, os marítimos também podem ter tido contato com pessoas infectadas dias antes do embarque.

Isto porque, normalmente, as embarcações passam por outros países, como Espanha, antes de chegar ao complexo santista.

Na semana passada, o navio Kota Pemimpin foi alvo de inspeção de equipes da Anvisa e da Vigilância Epidemiológica do estado e do município, no Porto de Santos. O motivo foi a suspeita de contaminação de dois tripulantes da embarcação, que tiveram sintomas gripais semelhantes ao coronavírus.

“Foram adotados todos os procedimentos do protocolo da Anvisa. Agora, o que nos preocupa é que a rota do Norte da Europa e do Mediterrâneo é bem mais rápida e frequente”, destacou Roque.

A Praticagem de São Paulo também manifestou preocupação com a realização de inspeção da Anvisa com o navio atracado no cais santista. A entidade defende uma revisão nos protocolos para que a vistoria seja feita em um fundeadouro de quarentena, com a embarcação ainda na Barra de Santos.

A medida, segundo o presidente da Praticagem, Carlos Alberto de Souza Filho, pode evitar que os profissionais da categoria se tornem vetores do vírus, em caso de chegada de embarcações com tripulantes contaminados.

Fonte: A Tribuna

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back to Top